Protegido: Câncer de esôfago: Como diagnosticar, principais causas e sintomas
29 de julho de 2018
Intolerância à frutose: Entenda a frutosemia
7 de agosto de 2018

Azia: o que é e como tratar

Se você já teve algum episódio de azia após as refeições, saiba que você não está sozinho! De acordo com a Organização Mundial de Saúde, mais de 20 milhões de brasileiros têm que lidar com essa incômoda queimação no estômago, que pode irradiar para a garganta, peito e pescoço.

A azia é resultado do refluxo de ácido gástrico, componente que participa do processo de digestão de alimentos. Invés de seguir o fluxo natural, o ácido toma o caminho inverso e retorna para o esôfago, podendo chegar até a boca.

Tal refluxo é provocado pelo mau funcionamento da válvula responsável por se abrir para o alimento passar para o estômago e fechar em seguida, para reter tudo o que foi ingerido e impedir que alimentos e sucos gástricos retornem.

Afinal, o que é azia?

A azia é uma sensação desconfortável de queimação na parte posterior do esterno, osso que fica no tórax, e pode se expandir para outras regiões do corpo. Os episódios de azia podem ser frequentes ou ocasionais, mas uma coisa é fato: o incômodo é tão grande, que pode chegar a prejudicar a qualidade de vida e rotina da pessoa.

Geralmente, quando as bebidas ou comidas entram no estômago, o esfíncter esofágico inferior fecha o órgão para que a digestão se inicie. Se ele não fechar suficientemente, o conteúdo ingerido retorna para o esôfago, provocando irritação e outros sintomas, como a azia. O refluxo se intensifica quando a pessoa se inclina ou se deita.

Vale acrescentar que a azia é mais frequente em quem está grávida, tem hérnia de hiato, usa medicamentos em excesso ou consome exageradamente alimentos como: pimenta, café, chocolate, álcool, frituras, mostarda, ketchup, cebola, bebidas gaseificadas, bebidas alcoólicas, vinagre e temperos industrializados.

Como tratar o problema?

Muitas pessoas com azia tentam resolver a condição por conta própria. Apostam em soluções naturais ou recorrem à automedicação, prática contraindicada. Eventualmente os sintomas podem melhorar e o desconforto pode diminuir, mas os efeitos positivos costumam ser temporários. Em pouco tempo, a azia volta a incomodar se não houver o acompanhamento médico adequado.

Um bom gastroenterologista pode diagnosticar o problema a partir dos sintomas, e com resultados de exames, como a endoscopia digestiva. Para completar, o especialista é capaz de confirmar ou descartar a existência de outros problemas estomacais.

Normalmente o tratamento inclui o uso de medicamentos e a mudança de hábitos alimentares. Adoção de dieta balanceada, exclusão dos alimentos que provocam azia e mastigação adequada diminuem a produção de ácidos. Tente fazer refeições na hora certa e com porções menores.

Além disso, é importante controlar o peso, não praticar exercícios depois de comer, não se deitar após as refeições e evitar o tabagismo. O cigarro diminui a proteção da mucosa estomacal, deixando o órgão mais vulnerável à ação dos ácidos gástricos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.